O ensino remoto ressignificou a parceria entre as  famílias e a escola. A escola se transformou. 

Afinal, onde está a escola? Na plataforma, na tela, na escrivaninha, na mesa da sala, no meio da sala… 

Quem está na escola? Os alunos, as professoras e professores, os irmãos, a mãe, o pai, o cachorro…

ensino remoto

No meio de todo esse nó, vemos nascer um novo modelo de escola. 

Emergencial, sim!

Ideal, não!

O papel da família muda na relação com a escola, sim. As crianças precisam de suporte – mais ou menos, dependendo da faixa-etária – por mais que a escola se prepare para atender a todos remotamente. 

Não existe uma receita de como a família deve agir, já que o nível de autonomia das crianças é diferente em cada idade. A metodologia/abordagem das escolas varia também. As escolas possuem demandas diferentes. Entender o que se espera da criança e ajustar as expectativas junto à escola é algo que pode ser feito por meio de conversas assertivas.

Algumas coisas são essenciais:

  • Internet
  • Um dispositivo disponível no momento das aulas síncronas
  • Material para fazer as atividades

Algumas coisas são importantes: 

  • Um ambiente tranquilo e organizado para fazer as aulas/atividades
  • Proporcionar a construção gradual da autonomia

Sabemos que a dinâmica de cada família é diferente.

Nem sempre o ideal é possível!

Mas é o que temos no momento. 

Estar com o espírito disponível para fazer acontecer é o melhor começo. 

Manter esse espírito é um desafio diário. 

Manter esse espírito por mais de um ano é um exemplo de resiliência que podemos mostrar aos nossos filhos e ajudá-los a desenvolver.

Infelizmente muitas famílias aqui no Brasil não possuem o essencial para que a criança/adolescente ingresse no ensino remoto. Isso é muito triste.

Como a família pode participar na prática do ensino remoto? A plataforma Ler o Mundo possui um curso que é uma experiência familiar que ajuda na aprendizagem, venha conhecer! Cadastre-se agora e faça as 4 primeiras aulas do Experiência Ler o Mundo gratuitamente!

Leia também nosso post sobre como o pai e a mãe podem ajudar nos estudos durante pandemia.

Publicado por:Bruna Cardoso e Paula Strano

Somos Bruna Cardoso e Paula Strano, as idealizadoras do Ler o Mundo. Como educadoras especialistas em alfabetização, já acompanhamos o processo de aprendizagem da leitura e da escrita de muitas crianças e sabemos o quanto a família e a escola são importantes nessa fase. Por isso, pensamos que uma boa maneira de ajudar mães, pais e educadores seria criar uma plataforma que traz tudo o que eles precisam saber: como funciona esse processo na vida das crianças, com dicas de atividades e um pouco da teoria que nos fundamenta. Nossa experiência como professoras está presente em cada palavra, assim como nossas trajetórias de vida, pois Bruna é também psicopedagoga e mãe de Helena (10 anos), Cecília e Matteo (7 anos), e Paula é especialista em produção de texto e escritora de literatura infantil.

7 comentários sobre “Qual é o papel das famílias no ensino remoto?

  1. Na minha opinião deveria ter mais participação dos professores entrando em contato com os alunos via whatsapp e marcar aulas de meet

    1. Com certeza! A comunicação virtual é um ponto essencial. A organização das aulas, deixando claros os horários, inclusive mandando quadros de rotina também é muito importante.

  2. Meu neto de 4 anos ,não gosta da aula remota,não interage ,e tímido ,temos que sair de perto,aff fala sempre que não quer,não gosta,o que devo fazer p que ele passe a gostar.

    1. Olá, Elisete. Ele é bem pequeno ainda, super normal essa timidez, acontece com muitas crianças. O importante é não pressionar, deixá-lo tranquilo, só assistir já é um grande passo.

O que você achou do conteúdo? Comete aqui!