Aulas online em casa, quem é mãe ou pai com crianças em idade escolar com certeza está vivendo este grande desafio. De uma lado temos famílias sobrecarregadas e, de outro, professores fazendo tudo o que podem para lidar com os desafios do ensino remoto.

Temos recebido muitas questões das mães e dos pais sobre o assunto, em um momento como este, a parceria entre a família e a escola precisa se fortalecer, sabemos que a mãe e o pai não são professores, e nem precisam ser, mas precisam oferecer apoio para as crianças.

ensino remoto

Muito se ouve por aí sobre ensino remoto, por isso é preciso desvendar alguns mitos e verdades sobre o assunto:

1- O ensino remoto substitui o presencial 

MITO!

O ensino remoto foi criado em caráter emergencial. Ele tem durado mais tempo que o esperado, mas é o que temos – e traz bons resultados na aprendizagem quando acontece em condições ideais. Ou seja, quando bem estruturado, é possível que as crianças aprendam bastante. No entanto, ele não substitui o ensino presencial. 

Estar com os colegas, relacionar-se socialmente, aprender com o outro, aprender com o ambiente são alguns exemplos de pontos insubstituíveis do ensino presencial. 

2- O ensino remoto facilita a vida dos professores

MITO!

Os professores tiveram que criar do zero e rapidamente um novo modelo de ensino. Criar e adaptar atividades, projetos e sequências didáticas pensando nas ferramentas digitais envolve estudo e muita pesquisa. Não se trata de simplesmente dar aula na frente do computador. Além disso, mediar as interações virtuais, preocupar-se com a aprendizagem de todos os alunos e avaliar têm sido um enorme desafio. 

3- As crianças não aprendem com o ensino remoto

MITO!

Crianças maiores de 5 anos, com internet, um dispositivo digital, material, um modelo de ensino remoto que priorize as abordagens ativas e com a parceria da família conseguem aprender, sim. 

A questão é que nem todas as mães e pais podem dar este apoio tão necessário, pois precisam trabalhar. Para casos assim, a Plataforma Ler o Mundo, por exemplo, possui um curso sobre como as famílias podem participar da alfabetização das crianças no dia a dia, sem estresse, nos momentos de folga.

No entanto, nem todas as crianças possuem acesso à internet e computador/tablet/celular ou um contexto domiciliar favorável para a aprendizagem. Por isso, temos visto uma quantidade enorme de crianças em defasagem, isso é muito sério. Com a volta às aulas gradual, o grande desafio será oportunizar, para quem não conseguiu aderir ou acompanhar o ensino remoto, as aprendizagens necessárias, ou seja, uma reorganização curricular para que todos possam caminhar do ponto em que pararam.

4- O ensino remoto proporciona outras aprendizagens

VERDADE!

O ser humano tem uma capacidade enorme de se adaptar. As crianças que seguiram no ensino remoto avançaram enormemente no letramento digital.  Além de dominarem recursos e ferramentas, temos visto as escolas investindo na educação midiática, algo muito importante nos dias atuais. Desenvolver o pensamento crítico e a autonomia para lidar com as fake news e a desinformação, por exemplo, é uma capacidade essencial hoje em dia. Além disso, estão usando as criatividade para lidar com o tempo livre dentro de casa e desenvolvendo resiliência para conseguir passar por um momento tão adverso e cheio de desafios, por exemplo. 

Leia também outros artigos que publicamos sobre o tema:

Estudo na Pandemia: como as mães e pais podem ajudar as crianças

Qual é o papel das famílias no ensino remoto?

Publicado por:Bruna Cardoso e Paula Strano

Somos Bruna Cardoso e Paula Strano, as idealizadoras do Ler o Mundo. Como educadoras especialistas em alfabetização, já acompanhamos o processo de aprendizagem da leitura e da escrita de muitas crianças e sabemos o quanto a família e a escola são importantes nessa fase. Por isso, pensamos que uma boa maneira de ajudar mães, pais e educadores seria criar uma plataforma que traz tudo o que eles precisam saber: como funciona esse processo na vida das crianças, com dicas de atividades e um pouco da teoria que nos fundamenta. Nossa experiência como professoras está presente em cada palavra, assim como nossas trajetórias de vida, pois Bruna é também psicopedagoga e mãe de Helena (10 anos), Cecília e Matteo (7 anos), e Paula é especialista em produção de texto e escritora de literatura infantil.

O que você achou do conteúdo? Comete aqui!