Biblioteca antirracista

Amamos versões de contos de fadas ambientadas em lugares diferentes! Uma nova atmosfera para um enredo conhecido traz uma experiência de leitura que amplia as percepções de mundo e o estabelecimento de relações vira algo natural, que valoriza a diversidade. Isso faz parte da bibliodiversidade. Dentro desse conceito, é preciso pensar em construir uma biblioteca antirracista.

Os contos de fadas tradicionais podem e devem estar presentes na infância. Eles são parte da cultura, mas de uma cultura européia. Nosso papel é ampliar a visão de mundo das crianças (e a nossa própria) por meio de narrativas que tragam o protagonismo negro, a cultura africana e brasileira.

Uma biblioteca infantil que contempla a diversidade de temas, gêneros e referências estéticas é fundamental.

Além disso, como diz Chimamanda Ngozi Adichi, existe o perigo de contarmos uma única história.

Em seu discurso, Chimamanda disse que sempre gostou muito de ler e quando começou a escrever, ainda bem pequena, seus personagens eram brancos, tinham olhos azuis e viviam na neve. Algo inusitado, já que é negra, tem olhos castanhos, nasceu e nunca havia saído da Nigéria (um país super quente). Seus personagens comiam frutas que ela não conhecia, falavam sobre assuntos que não faziam parte de sua vida. Esse era o repertório que ela tinha construído sobre a literatura.

Depois, quando começou a ler as poucas histórias escritas por africanos que encontrava, tudo mudou. Ela percebeu que fazia muito mais sentido escrever sobre algo que conhecia – “livros africanos me salvaram de ter uma única história.” Assim, seguiu criando histórias que representam suas ideias, seu povo, sua educação, suas convicções – ajudando também o mundo nessa descoberta.

Por muito tempo, a história dos negros no Brasil foi contada principalmente por uma única voz: a do branco. Acontece que nós não queremos que estereótipos façam com que a história se torne uma única história (como disse Chimamanda). Por isso, aqui no Ler o Mundo, estamos sempre abertas a ouvir as diferentes vozes e trazemos o protagonismo negro na literatura, convidando vocês a reconstruir essa história com a gente.

Para isso, não basta não ser racista, é preciso ser antirracista.

Vejam as nossas sugestões de livros de contos de fadas que precisam fazer parte de uma biblioteca e de uma educação antirracista.

A princesa e a ervilha, de Rachel Isadora

Essa versão do tradicional conto de Andersen A princesa e a ervilha se passa na África! A autora Rachel Isadora viveu durante dez anos em vários países africanos e adaptou vários clássicos para cenários africanos.

As falas das crianças são exemplos claros da ampliação de olhar proporcionada pela leitura:

“Olha, nessa história as roupas das princesas são muito mais coloridas!”

“As princesas falam línguas diferentes!”

Cinderela e Chico Rei, Chapeuzinho Vermelho e o Boto-cor-de-rosa, Joãozinho e Maria, O Pequeno Polegar, Rapunzel e o Quibungo, de Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho, com ilustrações de Walter Lara

Essa série de livros traz os contos adaptados a partir da questão:

“E se Perrault, Andersen e Grimm tivessem nascido não Brasil? Como seriam os seus contos?”

As histórias se passam aqui no Brasil, são permeadas por elementos da nossa cultura e todos os personagens são negros.

Se você quiser conhecer mais livros assim siga a nossa tag #lomprotagonismonegro no Insta!

Publicado por:Bruna Cardoso e Paula Strano

Somos Bruna Cardoso e Paula Strano, as idealizadoras do Ler o Mundo. Como educadoras especialistas em alfabetização, já acompanhamos o processo de aprendizagem da leitura e da escrita de muitas crianças e sabemos o quanto a família e a escola são importantes nessa fase. Por isso, pensamos que uma boa maneira de ajudar mães, pais e educadores seria criar uma plataforma que traz tudo o que eles precisam saber: como funciona esse processo na vida das crianças, com dicas de atividades e um pouco da teoria que nos fundamenta. Nossa experiência como professoras está presente em cada palavra, assim como nossas trajetórias de vida, pois Bruna é também psicopedagoga e mãe de Helena (10 anos), Cecília e Matteo (7 anos), e Paula é especialista em produção de texto e escritora de literatura infantil.

O que você achou do conteúdo? Comete aqui!